Síndrome Hepatocutânea – Necrose Epidérmica Metabólica

Dermatite Necrolítica

Eritema Necrolítico Migratório

Mal importa o nome agora, a doença é agressiva, violenta: rara.

Sendo rara imagino que os estudos para cessar essa enfermidade estejam meio estacionados.

Minha pretensão aqui é encontrar um meio de cura, sim, a palavra cura fica distante quando se tem um caso desses em mãos, parece até que a palavra ‘fatal’ orna mais com a doença.

Já tive tempo suficiente para conviver com o doente e para ler muita teoria sobre o assunto, infelizmente nós (Brasil) que somos tão avançados em Medicina Estética (por exemplo) estejamos pobres em informação sobre a Síndrome.

A causa da hepatocutânea nem eu nem ninguém sabe, digo, eu imagino qual seja a causa da doença da Amanda, como mãe dela (pâncreas e olhos também) conheço seu comportamento e fui capaz de traçá-lo logo que a pequena entrou em nosso carro.

Amanda não teve a alimentação que o organismo precisava e passou por estresse, será que ela tinha acompanhamento Médico a cada seis meses?

Eu creio que não, male male deve ter feito exames para ver como andavam os bebês na barriga.

De uma forma ou de outra sei que a doença ia aparecer, mas penso que por já ter havido deficiência de alimentação, o disparo final foi quando a pequena precisou fazer regime para não passar dos 13 quilos + uma vacina antirrábica.

Ração de primeira linha, a mais recomendada do Mundo, complemento em forma de palito palatável e frutas a parte…

Mas ela vivia lambendo as patas, sempre as fez de ‘chupetas’, poxa nosso único problema era a coprofagia, depois aquela incontinência urinária, a maluquice por comida, e a dermatite de dobra labial.

Quando ela ficasse ‘menos louca’ poderíamos operar o lábio e deixá-la sanamente com um colar elizabetano.

Como sou uma mamãe de cachorro sequelada preferi pecar por excesso de exames a não fazê-lo e perder outro cocker pelas malditas doenças genéticas já conhecidas. Nada havia de mais em exames da pequena, apenas uma leve hepatomegalia.

Ao levá-la com a irmã Labradora dela (Leslie) ao Cardio pedi que ele a auscutasse por que aquele coraçãozinho maluco parecia querer saltar pela boca com o menor esforço, bem, ele me fez arregalar os olhos e gelar o estômago: ‘marque um eco assim que possível’.

Ah não!

Duas Cardiopatas?

Vetmedin para o resto da minha vida?

Aquilo já tinha sido demais para mim, mas o pior estava por vir, descobri que a cardiopatia da Leslie era uma doença boazinha perto disso o que temos agora.

Amanda lambeu tanto as patas que as almofadinhas ficaram amolecidas, fedidas, eu atribuía aquilo ao monte de bactéria que saía da ‘boquinha de peixe’ dela e se proliferava pelas patas. Eu já nem deixava mais que ela fizesse xixi onde pudesse pisar de volta.

O spray antibiótico local não fez efeito e começaram a aparece lesões na genitália, na barriga, no fuço…

Claro que sem alterações em exames o tratamento seria básico, antibiótico, antifúngico, anti sei lá o que.

A saúde dela passou a degringolar rapidamente, a pele ficou vermelha, com descamação, odor fétido, com pústulas (pareciam espinhas) e isso parecia muito com doença autoimune (lúpus, pênfigo), a derme passou a escurecer, apareceram manchas escuras, por vezes a pele parecia plastificada, quente, sensível ao extremo e isso ainda trazia coceira.

Coçar carne viva?

A cockerzinha baqueou, para mim que a pegava nos braços quase sem forças via um cão desfalecendo a cada dia, e a cauda que tanto saculejava começara então a perder os pelos e tudo estava tão dolorido que nem dava para abrir direito a boca, ela perdeu peso.

Estava doendo para mastigar, não dava para bocejar, todas as mucosas do corpo estavam sendo bruscamente agredidas de dentro para fora.

Seus olhos fecharam de tão inchados e cheios de incontroláveis remelas, em outro dia a respiração fica estranha e catarro começa a sair do nariz já ressecado.

A massa muscular some, as juntas nitidamente doem, a otite parece até coisa pouca pois os ouvidos jorravam cera o tempo todo.

Foi muito exame para descartar doença bem conhecidas, endócrino-metabólicas, infecto-contagiosas.

A cada ultrassom a piora da pele por ter de usar lâminas, os pelos que foram tosados para exame há meses somente agora crescem ralos e vagarosamente, estão opacos, grossos ao toque.

Sou meio cientista, meio médica, meio louca, uma pessoa bem inteligente, ou seja, detenho muito conhecimento acerca das coisas (e infelizmente das pessoas também).

Num dia cheguei na Médica da Amanda e questionei se ela conhecia a Síndrome de Steven Johnson, ela disse que não, e eu falava assim ‘por cima’ que era o nome e geralmente era por farmacodermia (toxidade), e dizia para ela procurar saber sobre a NEM.

Lembro como se fosse ontem da minha letra cuspindo as três letrinhas no receituário dela: ‘NEM’- Necrose Epidérmica Metabólica, e ainda nem tinha certeza sobre o termo ‘necrose’ ou ‘necrólise’.

Bem, esse foi o diagnóstico mas de fato quem o deu foi um Dermatologista que pediu as lâminas da biópsia para levar em um laboratório da confiança dele, e aquilo demorou, mas veio de cabo a rabo escrito no laudo que era síndrome hepatocutânea.

O responsável pelo diagnóstico foi o Laboratório Paulista de Dermatologia.

Esse drama todo começou a ocorrer em Abril de 2012, eu sei que isso não tem cura mas tem um Tratamento de Suporte. (tem por que eu estou fazendo)

Os estudos de caso nacionais são assustadores, todos morrem rapidamente; ao procurar por Médicos (inclusive autores de estudos) noto que o tempo os deixou ali parados dizendo ‘não’.

Médicos mais antigos se apegam a uma teoria e ponto final, Médicos mais novos temem em errar, ou diria tentar?

Eu me sinto muito sozinha em relação a necrolise epidérmica metabólica, mas também sei que por menos recurso financeiro que eu tenha (depois de ter gasto muito) de certo sou a pessoa certa para cuidar de um cão assim.

Pelo amor de Deus, para quem peço, é para Deus?

Vamos tentar!

Tudo é passível de matar a Amanda?

Ah, com certeza é, mas sem tentar como é que ficamos?

Esperando a morte chegar no escuro?

Sim, no escuro, a maldita síndrome hepatocutânea desencadeou diabetes nela e a cegueira foi rápida, mal pude fazer algo: 3 dias para escurecer.

E eu dizendo: ‘ está de noite querida, prometo que vai clarear’.

Cocker é muito conhecido por ser sensível, e é sim, sensível de coração, amável, não deve ser coincidência Amanda ser tão resistente e Thaty ter brigado tanto para ficar ao meu lado: Cocker é forte.

Bem, no início de 2013 a função hepática da Amanda estava absolutamente normal e mesmo assim (depois de 42 dias de estabilidade) os sintomas de pele voltaram a aparecer.

Eu acho que isso pode ter um bom tratamento de suporte, bem como também acho que é preciso explorar esse tipo de paciente até o seu limite, não sei mais com o que estou lidando.

Numa citologia me foi sugerido carcinoma hepático, penso em pâncreas, em glucagon, penso em algo mais, não creio que somente a diabetes seja secundária, considero este ponto em que estamos uma Segunda Fase e deveria ser investigado algo mais em termos endócrino-dermatológicos.

Também acho necessário tentar restaurar a imunidade do organismo.

Eu acho muita coisa, eu durmo e acordo ‘fígado’, eu penso e repenso ‘Amanda’.

Amanda come determinados alimentos,  toma alguns medicamentos e usa determinado tipo de banho terapêutico, o tratamento é caro, carésimo, não a levo ao Médico o tanto que gostaria, não consulto quem poderia ajudar.

Se alguém quiser/puder ajudar a Amanda peço que o faça (com exames, consultas, conhecimento, procedimentos, etc)

Terapia Celular, por favor!

E se você for viajar ao exterior traga-nos um medicamento, entre em contato.

Quem quiser saber como estou tratando Amanda entre em contato, estamos no décimo mês de sobrevivência.

Hiperqueratose focinho, alteração mucosa ocular

Hiperqueratose focinho, alteração mucosa ocular

Síndrome Hepatocutânea

Hiperqueratose plantar com rachadura e sangramento, amolecimento das interdigitais.

Síndrome Hepatocutânea

Vermelhidão, escurecimento, crostas, mau odor, ardor, coceira.

Com todo o estrago e dor ainda há espaço para festinha…

A lesão da mucosa oral antecede as lesões no fuço.

A lesão da mucosa oral antecede as lesões no fuço.

Anúncios
Esse post foi publicado em Não categorizado e marcado , , , , . Guardar link permanente.

8 respostas para Síndrome Hepatocutânea – Necrose Epidérmica Metabólica

  1. Rachel disse:

    olá, minha cachorra sofre do mesmo mal e nao sei o que fazer. O veterinário disse que o figado deal esta completamente fibrosado. Estamos dando corticoide, imunosupressor e dois remedios para o figado, mas só agora que descobrimemos que tudo isso vinha do figado. Qual tratamento vc está dando para sua cachorrinha?

  2. Claudia disse:

    Também estou com esse problema síndrome hepatocutanea no meu cachorro que pegamos da rua a 10 anos. Apareceu primeiramente um vermelhão na barriga que ele lambia muito. Depois passou para feridas no focinho, mãos , rabo e costas. Deram 6 meses a 1 ano de vida. Medicação cara para o nosso padrão. Estou tentando ler na internet algo alternativo!!!

    • rota150 disse:

      Não há nada que possa ajudar na internet…
      Vc, assim como eu, acertou na mega sena do inferno.
      Alimentação é fator determinante, somente legumes cozidos, peixe e ovos de codorna.
      Banho com sabonete em barra cetrilan e nos locais de ferida úmida com clorexedine.
      Nas pioras de pele somente Convênia injetável resolve.
      O melhor medicamento para o fígado é o Denosyl.
      Gastei com Amanda dinheiro suficiente para comprar um carro, eis que um ano e meio depois chegou a Terapia Celular, o milagre que me deu mais Amandinha.
      Hoje eu começaria justamente com as células-tronco, o custo seria menor com toda a certeza.
      Essa doença me fez surtar de vez (…)

  3. Marilia Andrade disse:

    Ola….minha cachorrinha vai fazer biópsia mas é provável que ela tenha a síndrome hepatocutanea. Pelo que entendi da sua história sua cachorrinha tomou alguns medicamentos e fez uma dieta específica foi isso? Por mais que não tenha cura quero que ela tenha uma vida, na medida do possível, saudável.
    Algum médico para indicar?
    Minha cachorrinha não está piorando…os exames estabilizaram e as feridas secaram. Ela só lance as patas ainda.

    • rota150 disse:

      Essa doença é uma caixa de pandora, da noite para o dia tudo muda.
      As patinhas você deixa de molho no permanganato de potássio e veja se melhora.
      A doença em geral enquanto a anemia não vencer a Terapia Celular dá conta.
      INFELIZMENTE Amanda passou por uma centena de Médicos, não há especialista, não há casos para comparar!
      Será necessário ter acompanhamento do Médico de sua confiança (Médico cabeça aberta), vai ter de repetir exame de função hepática e de sangue com frequência, a Diabetes é secundária e se ela tomar mais água e fizer mais xixi corre para medir a glicemia para que a Diabetes não cesse a visão dela.
      De fato qualquer alteração tem de ir ao Médico, houveram semanas inteiras que fomos ao Veterinário todo santo dia, foi uma penúria no início.
      Os sintomas de pele são controlados com antibiótico injetável ‘Convênia’.
      Posteriormente diga o resultado ou os sintomas que vou te auxiliar na medida do impossível.

      • Marilia Andrade disse:

        Obrigada….nos exames delas não aparece nada..só mesmo as alterações do fígado que ela já trata a muito tempo. A biópsia vai ser realizada só no dia 01/12 Pq não tem nenhuma data antes e não é qualquer lugar que faz. Estou dando dipirona quando vejo que ela esta com muita dor. Vou te avisando por aqui…no final sua cachorrinha está melhor? Conseguiram amenizar o sofrimento? O quadro fica estável? Acha mesmo que ela vai durar só isso? Obrigada pela ajuda.

  4. Givaldo Sérgio de Lima disse:

    Minha cadela tem um problema maior. Ele por ter convulsão tomou durante 5 anos gardenal, 2 mg por dia, e os veterinários não queriam diminuir, após ver a situação das patas que cada vez mais ficam em carne viva, uma especialista em pele diagnosticou esta doença, foi feito exames e o figado esta comprometido.
    Foi suspenso o gardenal e novos medicamentos principalmente para o figado está sendo dado. Só que não estamos vendo melhora, e além do mais tem hora que ela late, uiva, como se estivesse sentindo dores, e como se estivesse querendo ter convulsão.
    Alguém também pode me ajudar?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s